Câmara Municipal - Poder Legislativo do Município de Criciúma

Criciúma, 24 de Novembro de 2014

> FRAGMENTOS HISTÓRICOS - ESPECIAIS

  • O negro no sul do estado

     

    Em Santa catarina a escravidão negra aconteceu em cinco municípios: São Francisco do Sul, Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis), Laguna, Araranguá e e Lages. O primeiro grupo veio com os vicentistas das Ilhas dos Açores e da Madeira em meados do século XVIII.

     

    Alguns autores afirmam que a participação do negro na colonização de Santa Catarina foi muito reduzida.

     

    A presença do negro no sul de Santa Catarina é resultante de um processo de escravidão ou de movimentos migratórios, principalmente no período pós Guerra do Paraguai. A migração dos negros, depois da abolição da escravatura, deu-se em função da tentativa de mudança, obtenção de terras agricultáveis e mais tarde, com a descoberta do carvão, o trabalho de extração nas minas

     

    Ex-combatentes da guerra do Paraguai, em vez de retornar à Bahia, fixaram-se em Içara, na localidade de Urussanga Velha, onde trabalharam na lavoura, na construção da estrada de ferro e no carvão.

     

    Por volta de 1910 inicia-se em Criciúma a abertura de picadas para a construção da Estrada de Ferro Dona Teresa Cristina. Essa via de acesso provocou a migração dos pioneiros negros de comunidades vizinhas em busca de trabalho.

     

    Os pioneiros foram Manioel Estevão e sua esposa, Joventina Lima, que dava aulas gratuitamente. Vieram de Jaguaruna em 1912. Quando chegaram, foram morar numa região próxima ao Morro da Cruz, onde é hoje Mina União. A maioria dos negros ao chegar à cidade fixavam-se próximos á Mina Velha, Vila Santa Bárbara. Com o passar dos anos algumas famílias as diversas família espalharam-se pelo Município.

     

    Atualmente a maioria das família negras residem em bairros mais afastados do centro, tais como Boa Vista, Vila Manaus, Cidade Mineira.

     

    O cotidiano

     

    As casas eram de madeira de lei. Não tinham banheiro. Os móveis eram rústicos. O trabalho era braçal e a iluminação, precária, através de gás carboreto e água. A maioria trabalhava em pequenas roças, em terras arrendadas.

     

    Os primeiros negros trabalharam abrindo picadas para a construção da estrada de ferro, no meio do mato, dormindo em barracos de lonas. Nas minas faziam parte da linha de frente, colocando dinamite e preparando os estopins.

     

    Alguns mantinham um trabalho paralelo - depois do trabalho iram para suas roças onde criavam gado e porcos.

     

    Lazer

     

    Nas casas faziam os chamados abafadinhos: reuniam-se com um pandeiro e um tambor, dança e canto. O lazer, os costumes e a religião dos negros era bem aceita na região.

     

    O clube mais freqüentado pelos negros é a Sociedade Recreativa União Operária, fundada em 03 de dezembro de 1970. O prédio do clube contou com grande contribuição de Aldo Lima, que quando assumiu a presidência da Sociedade não mediu esforços para concretizar o sonho da sede própria. O Iakekerê é um bloco do carnaval que somente aceita afros-descendentes na sua agremiação.

     



© 2014 - Câmara Municipal de Criciúma - CNPJ: 83728949/0001-30

Desenvolvido por: Virtualiza

 

Endereço: Centro Profissional de Criciúma - Rua Cel. Pedro Benedet, 488 - 6º andar - Caixa Postal 34 - CEP 88801-250 - Criciúma - SC
Fone: (48) 3431.2224 - Fax: (48) 3431.2234
E-mail: camaracriciuma@camaracriciuma.sc.gov.br - Site: http://www.camaracriciuma.sc.gov.br